Olá, tudo bem? Obrigado por visitar-nos. Queremos divulgar nossa tradição não só no Rio Grande, mas aonde houver um gaúcho. Se gostares do blog, divulgue para tua lista de contatos. Aproveite a visita ao blog, deixe seu RECADO, COMENTE nossos posts, olhe nossos PRODUTOS e seja um SEGUIDOR.

Faça seu pedido

Rio Grande do Sul: nossos valores

Olá Caro leitor, se quiseres acompanhar nossos artigos, assine o FEED ou receba os artigos por EMAIL. Siga o blog no TWITTER!
Sirvam nossas façanhas de modelo a toda a terra

Há Santa Catarina ao Norte, o Uruguai ao Sul, a Argentina a Oeste e o Oceano Atlântico ao Leste, mas a verdade é que o Rio Grande do Sul não tem limites. Nem seu povo. O desconhecimento de fronteiras pode ser herança indígena.

Antes que qualquer pé branco ou preto pisasse as rosetas desses pagos, eram os índios – minuanos, guaranis... – que dominavam essa terra e, ignorando a existência de mapas, fincavam acampamentos onde bem lhes aprouvesse. Se o perigo surgia, o índio enfrentava. Se a morte chegava, lamentava, mas seguia.

E quantas mortes dolorosas viu nesse nosso chão. Quando o homem branco chegou, em nome de reis e rainhas, decidido a dividir terras e definir fronteiras, muitas vezes não houve palavrório que impedisse que decisões determinadas com espadas na mão. Tantos índios pereceram nas Missões, e outros tantos em conflitos menores que desenharam com sangue o mapa do nosso Estado.

Não se achicar na frente do adversário é outra característica de nosso povo. Os gaúchos têm orgulho de ser o que são, de acreditar no que acreditam, de seguir a quem seguem e defenderão, até o fim, seus direitos. E essa crença balizou a maior guerra civil do período colonial brasileiro, a Revolução Farroupilha. Uma década de lutas em que gente comum virou soldado, fazendeiro virou herói, e o Rio Grande do Sul virou um país.

A guerra foi justa? Seu resultado, certo? Quase 200 anos depois, quando vemos milhares de pessoas comemorando o 20 de Setembro – o início do decênio heroico, que terminou em março de 1845 –, percebemos que o gaúcho celebra não a vitória ou a derrota, este ou aquele nome do passado. O que se reverencia é o conjunto de qualidades admiráveis que fizeram do Rio Grande um grande Estado e, de nossa gente, um grande povo.

São valores universais que não escolhem raça e extrato social para se abrigar. Gosto pelo trabalho – seja na cidade ou no campo – cordialidade, honestidade e fibra. Nem todos carregam as qualidades, mas todos as querem. Isso porque, acreditava-se no passado, que quem as tinha, alcançaria a glória. E em busca dessas virtudes, e da glória, os gaúchos se espraiaram para todos os cantos do país e do globo, ignorando fronteiras.

Muitos levavam escondida na bagagem, mesmo sem querer, memórias do chimarrão, do sol avermelhando o céu no poente, de cuscos acompanhando seus mestres campo afora e de longas baias onde homens e cavalos mantinham a parceria e a cumplicidade das cavalgadas da vida. Levavam recordações de antigos 20 de Setembros, de prendas em vestidos rodados, de pingos bem encilhados e montados por homens de largas bombachas, do bate-patas de cavalos e uma chama que arde sem parar no peito de quem ama o chão onde nasceu, mesmo estando longe dele.

Para reverenciar esse povo, fotógrafos do Diário captaram imagens da ligação do gaúcho com sua terra, as quais você vê nessas páginas.

Texto: Tatiana Dutra - tatiana.dutra@diariosm.com.br


Você sabia? O Blog da Pithan Pilchas é atualizado todos os dias, por isso recomendo que siga nosso TWITTER (http://www.twitter.com/pithanpilchas), RSS FEED, FACEBOOK ou cadastre seu endereço de e-mail para receber nossas atualizações por e-mail. 

Um abraço e muito obrigado por visitar o blog.

Assine o FEED ou receba os artigos por EMAIL. Siga o blog no TWITTER!

0 comentários:

Postar um comentário

Promoção LIVROS na PITHAN PILCHAS

Promoção LIVROS na PITHAN PILCHAS
COMPRE SEU LIVRO NA PITHAN PILCHAS: CLIQUE NA IMAGEM PARA SABER MAIS
Related Posts with Thumbnails